Prévia da inflação fica em 0,34% em fevereiro, menor para o mês desde 1994

Prévia Inflação

O Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo 15 (IPCA-15), que é uma prévia da inflação oficial do país, aponta variação de 0,34% em fevereiro, informou nesta quinta-feira (21) o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). Juntamente com fevereiro de 2000, variação foi a menor para um mês de fevereiro desde o início do Plano Real, em 1994. Nos últimos 12 meses, a variação foi de 3,73%, abaixo dos 3,77% dos 12 meses imediatamente anteriores.

No entanto, índice mostrou aceleração em comparação com janeiro, quando foi de 0,3%. O acumulado no ano ficou em 0,64% até fevereiro. Em fevereiro de 2018, a taxa havia sido de 0,38%.

Educação é destaque de alta
O grupo Educação foi responsável pelo maior impacto no índice, de 0,17 ponto percentual – variação foi de 3,52%.

Veja variação dos grupos em fevereiro:
  • Educação: 3,52%
  • Alimentação e bebidas: 0,64%
  • Saúde e cuidados pessoais: 0,56%
  • Artigos de residência: 0,47%
  • Despesas Pessoais: 0,30%
  • Habitação: 0,18%
  • Comunicação: 0,05%
  • Transportes: -0,46%
  • Vestuário: -0,92%

O grupo Educação foi influenciado pelos reajustes de mensalidades escolares que costumam ocorrer no período de volta às aulas. Por exemplo, os cursos regulares subiram 4,6%, e as mensalidades de cursos diversos, 3,16%.

Alimentação e bebidas apresentou ligeira desaceleração em relação a janeiro (0,87%) por conta do consumo em casa, que subiu 0,68%, frente à alta de 1,07% em janeiro. As carnes, por sua vez, caíram 0,28% em fevereiro, e o tomate, cujos preços já haviam apresentado queda no mês anterior (-8,16%), mostraram deflação ainda mais intensa em fevereiro (-20,32%).

A alimentação fora de casa teve leve aceleração de janeiro (0,53%) para fevereiro (0,58%), com destaque para refeição, que registrou 0,78%, frente à alta de 0,39% no mês anterior.

Transportes teve a maior pressão negativa, embora com deflação menor que a ocorrida em janeiro, quando ficou em -0,47%. A gasolina (-2,43%) caiu pelo terceiro mês consecutivo e foi responsável pelo maior impacto individual negativo no índice. Outros destaques vão para a queda nos preços do etanol (-1,31%) e do óleo diesel (-0,15%). A exceção foi o gás veicular (3,21%), cujo resultado foi influenciado pela alta na região metropolitana de São Paulo (8,27%).

O setor de Vestuário também contribuiu com impacto negativo, tanto entre roupas femininas (-1,40%) quanto masculinas (-0,76%) e infantis (-0,99%). Além disso, os calçados, que haviam apresentado ligeira alta em janeiro (0,11%), registraram baixa de 0,8% em fevereiro.

Deflação em GO e Brasília
Em relação aos índices regionais, Goiânia (-0,04%) e Brasília (-0,15%) apresentaram deflação de janeiro para fevereiro. O resultado de Brasília deveu-se principalmente pela queda de 18,33% das passagens aéreas. O maior índice ficou com a região metropolitana de Belém (0,63%) devido à alta expressiva do feijão-carioca (50,08%) e da variação nos cursos regulares (5,91%).

IPCA de janeiro
O Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA), considerado a inflação oficial do país, ficou em 0,32% em janeiro, acima dos 0,15% de dezembro. O índice acumulado em 12 meses ficou em 3,78%, levemente acima dos 3,75% registrados nos 12 meses imediatamente anteriores.

Em 2018, a inflação oficial fechou o ano em 3,75%, abaixo do centro da meta fixada pelo governo, que era de 4,5%. Para 2019, o alvo central a ser perseguido é um pouco menor: 4,25%.

Os economistas do mercado financeiro mantiveram sua previsão para o IPCA de 2019 estável em 3,87%.

Com isso, a expectativa do mercado segue abaixo da meta de inflação fixada para este ano, de 4,25%. A meta tem um intervalo de tolerância que vai de 2,75% a 5,75%.

Metodologia
A metodologia utilizada no IPCA-15 é a mesma do IPCA, a diferença está no período de coleta dos preços e na abrangência geográfica. Os preços foram coletados no período de 16 de janeiro a 12 de fevereiro de 2019 (referência) e comparados com aqueles vigentes de 13 de dezembro de 2018 a 15 de janeiro de 2019 (base).


Fonte: G1